terça-feira, 20 de março de 2018

Destruction - Thrash Anthems II (2017)


Destruction - Thrash Anthems II (2017)
(Nuclear Blast/Shinigami Records - Nacional)


01. Confused Mind
02. Black Mass
03. Front Beast
04. Dissatisfied Existence
05. United By Hatred
06. The Ritual
07. Black Death
08. Antichrist
09. Confound Games
10. Rippin’ You Off Blind
11. Satan’s Vengeance
12. Holiday In Cambodia (Bonus Track - Dead Kennedys Cover)

Quando uma banda consagrada dentro de seu estilo resolve regravar velhos sucessos, a recepção por parte dos fãs mais antigos não costuma ser das melhores. Confesso que eu mesmo tenho um pé atrás com esse tipo de iniciativa, desaprovando-as em certas ocasiões. E vale dizer que nem sempre isso se dá pelo fato de o ouvinte estar arraigado a tradicionalismos, mas sim porque certas canções soam perfeitas em sua forma original, e nada do que se faça com elas as tornarão superiores às suas versões originais.

Em 2007 o Destruction lançou Thrash Anthems, um álbum que trazia para o século XXI antigos clássicos de seu repertório. O resultado divide opiniões até hoje, tendo uma parcela de seu público que o aprovou com louvor, e outra que não se empolgou tanto. Dez anos se passaram e os alemães resolveram fazer nova investida nesse sentido, dessa vez com uma campanha de financiamento coletivo no site PledgeMusic, onde não só os fãs ajudaram a financiar o álbum, como também escolheram o repertório. Ele chegou às mãos dos fãs em julho de 2017 e em novembro a Nuclear Blast resolveu fazer seu lançamento mundial.

Dos anos 80 para cá, Schmier e Mike cresceram como músicos, e Vaaver certamente é o melhor baterista, do ponto de vista técnico, a passar pelo Destruction. A produção também é infinitamente superior, soando limpa, com as guitarras mais fortes e pesadas, mantendo até mesmo a força dos riffs originais. Tudo isso se reflete no resultado final, já que, acima de qualquer coisa, temos um trabalho muito sólido. Mas aí vem aquela pergunta: as versões aqui ficaram superiores às originais? Não, de forma alguma. A verdade é que essas canções são temas únicos justamente por aquele clima inigualável que elas possuem e que de forma alguma poderia ser reproduzido 3 décadas depois.


Mas veja bem, isso não faz de Thrash Anthems II um álbum dispensável. Em primeiro lugar, o repertório foi muito bem escolhido pelos fãs, e cobre todos os trabalhos da banda desde a demo Bestial Invasion of Hell (84) até Cracked Brain (90). Além disso, mesmo que as versões não soem superiores às originais, ainda sim ficaram muito boas, já que soam mais vivas do que nunca. Além do mais, é uma forma de apresentar, com uma roupagem mais moderna, antigos clássicos da banda para uma geração que não é tão apegada àquela sonoridade tipicamente oitentista, ou que não tem fácil acesso ao material do período. Os maiores destaques ficaram por conta de “Confused Mind” (Eternal Devastation (86)), “Black Mass” (Sentence of Death (84)), “Black Death” (Infernal Overkill (85)), “Rippin’ You Off Blind” (Cracked Brain (90), originalmente com vocais de André Grieder) e “Satan’s Vengeance” (Bestial Invasion of Hell/Sentence of Death (84)). Vale dizer que ainda temos um cover para “Holiday In Cambodia”, do Dead Kennedys, e participações especiais dos guitarristas Ol Drake (ex-Evile), Michael Amott (Arch Enemy) e V.O. Pulver (Pänzer).

Toda a parte de produção mais uma vez ficou por conta de V.O. Pulver, com ótimos resultados, já que deixou tudo limpo, claro, agressivo e pesado, mas sem saturação em excesso (um problema de trabalhos passados do Destruction). A capa, como vem ocorrendo já há algum tempo, foi obra de Gyula Havancsák. Se você é desses fãs mais puristas e radicais, existe sim a possibilidade de não gostar tanto assim de Thrash Anthems II, mas se você faz parte da geração mais nova de fãs desse gigante do Thrash alemão, certamente esse é um álbum que vai te agradar em cheio. Pode não ter o brilho dos velhos clássicos, mas é sólido, correto, respeitoso e acima de tudo, de qualidade.

NOTA: 83

Destruction é:
- Schmier (Vocal/Baixo);
- Mike (Guitarra);
- Vaaver (Bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram


Nenhum comentário:

Postar um comentário