sexta-feira, 29 de junho de 2018

White Dragon – Prepare for the changes (2018)


White Dragon – Prepare for the changes (2018)
(Nomade Records – Nacional)

 
01. Prepare for the changes
02. The End of the World
03. Tears for Somebody
04. White Dragon
05. Light Warrior
06. Six Destinies
07. Evolution
08. I Will Fly Free
09. Game of Life
10. Doomsday

Quanto vale um sonho? Ao sair da banda Harmonyca, o vocalista Léo Rodrigues tinha em mente um objetivo muito claro, que era lançar seu trabalho solo. Nasceu então o White Dragon. Mas quando se trata de Heavy Metal, as coisas nunca são fáceis, já que o estilo, além de não estar entre os mais populares em nosso país, não conta com o apoio merecido. Ainda assim, quando se trabalha duro e se tem persistência, mesmo aqueles sonhos mais difíceis e improváveis podem ser alcançados. É, acho que persistência é um substantivo que se encaixa bem quando falamos de Prepare for the Changes.

Se fazer Metal no Brasil não é fácil, imagine em uma cidade de interior, onde os recursos são infinitamente menores. Para encarar tal desafio, nos últimos anos Léo contou com o apoio de alguns amigos que o ajudaram, fosse tocando algum instrumento, fosse com o processo de gravação e produção, fosse como parceiro nas composições. Participaram da empreitada Levi Alves, Jhojo Sozi, Daniel Medeiros, Rafael Barbosa, Tonin Silva, Rafael Fernandes e Thiago Ghilhos. E o que temos em mãos no final desse processo é um álbum de Heavy Metal Tradicional, com um toque aqui e ali de Metal Melódico, e que não nega as suas raízes, pois aposta naquela sonoridade tipicamente oitentista de nomes como Iron Maiden (talvez a maior referência aqui) e Helloween. É aquele som feito sobre medida para os apreciadores desse período.

De cara, o álbum abre com a faixa título, que possui uma introdução orquestrada que dá um ar grandioso à mesma. Assim que ela se inicia, o DNA “Maideniano” fica bem claro, não só pelo instrumental, como pelo timbre vocal de Léo, que remete bastante ao de Bruce Dickinson em alguns momentos. Os riffs e as melodias agradam de imediato e o refrão é daqueles que cativa o ouvinte. Na sequência, “The End of the World” tem um bom uso dos teclados, que quando surgem, dão uma pegada mais Classic Rock à canção, além de um trabalho de guitarra muito legal. É outra onde o refrão se destaca. “Tears for Somebody” se destaca pelas boas melodias e pelo trabalho da parte rítmica, enquanto “White Dragon” soa como uma mescla de Iron e Helloween. Vale destacar as ótimas melodias vocais presentes. Encerrando a primeira metade, temos “Light Warrior”, faixa que prima não só pela variedade, já que alterna passagens mais cadenciadas com outras mais velozes, como também pelo refrão de bom gosto.


A segunda metade abre com “Six Destinies”, na qual tanto o instrumental quanto a letra homenageiam o Iron Maiden. Preste atenção em como Léo utilizou títulos de canções da banda em cada um dos versos e se divirta caçando essas referências. Musicalmente, a faixa emula a sonoridade dos britânicos com perfeição, algo que não incomoda em nada quando você percebe a intenção da faixa. É aqui também o momento onde ele deixa seu lado Bruce Dickinson aflorar com mais força. “Evolution” é enérgica e agradável, com um trabalho de guitarra muito bom, melodias agradáveis e um refrão que cativa.  “I Will Fly Free” é uma balada muito bonita e emocional, guiada apenas por violão, teclado e a voz de Léo, e é seguida por uma das melhores músicas do álbum, “Game of Life”. É dessas canções que chama a atenção pela força, pela técnica e por possuir ótimas melodias. A parte rítmica se destaca e o refrão é daqueles que você já sai cantando de primeira. Encerrando o álbum, temos a crua e enérgica “Doomsday”, onde o peso da guitarra se sobressai.

Com o passar dos anos, foram sendo utilizados 2 estúdios, tanto para o processo de gravação como de produção, Estúdio JS e Asafe Studio’s, mas, apesar disso, a produção de Prepare for the Changes está dentro da média para um álbum totalmente independente e gravado com as dificuldades que todos nós conhecemos. Tudo soa claro, audível, e não possui variações de volume entre as faixas. Claro, não dá pra negar que possui uma dose maior de crueza do que de praxe, mas surpreendentemente isso acaba fazendo bem à música na maior parte do tempo. Ainda assim, isso não exclui o fato de que em um futuro segundo trabalho, uma produção um pouco mais refinada (mas sem exageros) pode deixar o que é bom melhor ainda. Quanto à parte gráfica, vale dizer que foi toda feita pelo próprio Léo Rodrigues, tendo ficado bem legal. Gosta daquele Heavy Metal que parece ter saído dos anos 80? Se sim, temos aqui um trabalho que certamente vai te agradar em cheio. Quanto vale um sonho? Ah meus amigos, sonhos assim não têm preço.

NOTA: 84

White Dragon Project (Gravação):
- Léo Rodrigues (Vocal)
- Levi Alves (Guitarra, Baixo e Bateria nas faixas 1, 5, 6, 8, 10)
- Jhojo Sozi (Todos os instrumentos 2, 3, 4, 7)
- Daniel Medeiros (Guitarra na faixa 3)
- Rafael Barbosa (Guitarra na faixa 4)
- Tonin Silva (Guitarra na faixa 7)
- Rafael Fernandes (Teclado nas faixas 1, 5, 6, 8, 10)
- Thiago Ghilhos (Todos os instrumentos na faixa 9 e Guitarra na faixa 10)



Nenhum comentário:

Postar um comentário