terça-feira, 6 de novembro de 2018

Altú Págánach - The Wizard (2018)


Altú Págánach - The Wizard (2018)
(Cold Art Industry - Nacional)


01. Dance Of The Wizard
02. The Magic
03. Ash Nazg Durbatulûk
04. Ash Nazg
05. Frerin
06. Iron Music
07. The Battle Of The Ancients
08. The Dream
09. Altú Págánach*
10. Melkor Rise*
11. Walking With Tolkien*
12. Bauglir Forest*
13. Old Wisdom*
14. Nirnaeth Arnoediad*

E lá se vão 17 anos de carreira e uma infinidade de lançamentos, entre demos, singles, compilações, EP’s e álbuns de estúdio, mas ainda sim o Altú Págánach não está entre os nomes mais conhecidos de nosso underground. Uma pena, porque seu Folk Black Metal, com temática baseada não só no paganismo, mas principalmente na obra do mestre John Ronald Reuel Tolkien, ou J.R.R Tolkien (1892-1973), é feito sobre medida para agradar aos fãs de hordas como Summoning, Caladan Brood, Emyn Muil, Vordven, Burzun e afins.

Originalmente, The Wizard foi pensado como um EP, mas a Cold Art Industry, em seu lançamento, adicionou ao mesmo os EP’s Walking With Tolkien Part II e Melkor Rise, transformando-o em um álbum completo. O trabalho é temático, abordando a trajetória de Radagast, O Castanho, um dos 5 Istari enviados a Terra Média para ajudar na luta contra Sauron, desde a sua chegada até a Primeira Batalha. Musicalmente, como esperado por quem já escutou os trabalhos anteriores, Lord Maleficarum T. I. Typhonis, o nome por detrás do Altú Págánach, conseguiu equilibrar com muita competência o seu Black Metal ríspido e cru, com os elementos mais atmosféricos que se fazem fortemente presentes nas composições.

Seguindo aquela linha estilística do início dos anos 90, e esbanjando assim agressividade e sujeira, mostra que a ideia aqui não é soar bonito e agradável aos ouvidos alheios, mas sim feio e obscuro. É a mais pura representação do underground. Os vocais trafegam com competência entre o rasgado e o limpo, acompanhados de riffs gélidos e teclados soturnos, que dão aquela atmosfera toda especial as canções do grupo. Dentre as 14 aqui presentes, vale destacar a faixa de abertura, “Dance Of The Wizard”, bem equilibrada e variada, as agressivas “Ash Nazg Durbatulûk” e “Ash Nazg”, e “Altú Págánach”, feita na medida para o que gostam de um Black Metal Old School. Já a sequência que encerra o álbum, que vai de “Walking With Tolkien” até “Nirnaeth Arnoediad”, seguem uma linha mais Ambient/Darkwave, que pode cair em cheio no gosto dos que apreciam bandas como Pazuzu, Vond, Dargaard, Wongraven e Mortiis.

Vale dizer que a Cold Art Industry está disponibilizando duas versões diferentes do álbum. Uma em digipack, limitada a 100 cópias, numeradas a mão, e outra em acrílico, com apenas 300 cópias, que vem acompanhada de um poster A3, adesivo e OBI. Em resumo, se você gosta de Folk Black Metal, não tem desculpa para não ter essa obra em sua coleção.

NOTA: 8,0

Altú Págánach é:
- Lord Maleficarum T. I. Typhonis

Facebook
Cold Art Industry (acrílico)



sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Bloodbath – The Arrow of Satan is Drawn (2018)


Bloodbath – The Arrow of Satan is Drawn (2018)
(Peaceville Records – Importado)


01. Fleischmann   
02. Bloodicide
03. Wayward Samaritan
04. Levitator
05. Deader
06. March of the Crucifers
07. Morbid Antichrist
08. Warhead Ritual
09. Only the Dead Survive
10. Chainsaw Lullaby

O Bloodbath é o epítome do termo supergrupo. Vejamos: Nick Holmes (vocal, Paradise Lost), o novato Joakim Karlsson (guitarra, Craft), Anders "Blakkheim" Nyström (guitarra, Katatonia), Jonas Renkse (baixo, Katatonia) e Martin Axenrot (bateria, Opeth). Um belo time, correto? Se você puxar na memória e lembrar que antes desses, passaram pela mesma formação, músicos do porte de Dan Swanö (Edge of Sanity), Mikael Åkerfeldt (Opeth), Peter Tägtgren (Hipocrisy) e Per "Sodomizer" Eriksson (Ghost, ex-Katatonia), a ideia só se reforça. O melhor de tudo é que apesar de normalmente supergrupos tenderem a decepcionar, aqui a coisa sempre foi diferente, já que sempre fizeram a alegria dos fãs daquele Death Metal tipicamente sueco, com os lançamentos de Resurrection Through Carnage (02), Nightmares Made Flesh (04), The Fathomless Mastery (08) e Grand Morbid Funeral (14).

Seu 5º álbum de estúdio, The Arrow of Satan is Drawn, vem não só para reforçar a tradição de grandes trabalhos da banda, como também para confirmar que vivem seu melhor momento na carreira. Soando mais coeso e entrosado que no álbum anterior – nem parece que Joakim Karlsson entrou recentemente para a banda –, o Bloodbath não inventa quando se trata de fazer Death Metal. Calcado em nomes como Entombed, Dismembrer e Grave, entregam aos seus fãs exatamente o que esses esperam: música hostil, bruta, que alterna momentos mais velozes e agressivos com outros mais cadenciados e opressivos. Os vocais de Nick Holmes se mostram ótimos mais uma vez, conseguindo dar um clima sinistro as canções. Já as guitarras de Karlsson e Nyström não aliviam no peso, despejando riffs corrosivos, capazes de destruir os tímpanos menos acostumados. Quanto a parte rítmica, com Renske e Axenrot, esbanjam técnica, diversidade e firmeza. E convenhamos, não dava para esperar menos que isso.


“Fleischmann” abre o trabalho em grande estilo, com muita intensidade e boas melodias. Na sequência, “Bloodicide” te deixará sem palavras. Meu amigo, aqui só temos Nick Holmes dividindo os vocais com as lendas Jeff Walker (Carcass), Karl Willetts (ex-Bolt Thrower, Memoriam) e John Walker (Cancer). Só isso já valeria o álbum todo. “Wayward Samaritan” é bem técnica e com bons riffs, e “Levitator” abusa do peso e da sujeira. “Deader” soa simplesmente infernal em toda a sua brutalidade, enquanto “March of the Crucifers” é daquelas músicas opressivas do início ao fim. “Morbid Antichrist” é um dos pontos altos, e vai moer pescoços alheis. Na sequência final, temos a sangrenta “Warhead Ritual”, a pesada e maligna “Only the Dead Survive”, com seu ótimo trabalho de guitarra, e a violenta “Chainsaw Lullaby”, com seus bons riffs e vocais variados.

A produção esbanja qualidade, e a mixagem e masterização de Daniel Liden (Craft, Draconian, Katatonia) se mostra um grande diferencial. Conseguiu deixar tudo claro, audível, mas ainda sim soando orgânico, com uma “sujeira” que deixa tudo mais agradável. A capa é mais uma belíssima obra de Eliran Kantor, uma das melhores que vi esse ano. Pesado e intenso, The Arrow of Satan is Drawn é uma verdadeira agressão sonora, uma espécie de portal do inferno em forma de música. Convenhamos, tem coisa melhor do que isso quando falamos de Death Metal? Candidato a melhor álbum do estilo em 2018.

NOTA: 90

Bloodbath é:
- Nick Holmes (vocal);
- Joakim Karlsson (guitarra);
- Anders "Blakkheim" Nyström (guitarra);
- Jonas Renkse (baixo);
- Martin Axenrot (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Hammerfall - Glory to the Brave (Anniversary Edition) (1997/2017)


Hammerfall - Glory to the Brave (Anniversary Edition) (1997/2017)
(Nuclear Blast/Shinigami Records – Nacional)


CD1
01. The Dragon Lies Bleeding
02. The Metal Age
03. HammerFall
04. I Believe
05. Child Of The Damned  (Warlord cover)
06. Steel Meets Steel
07. Stone Cold
08. Unchained
09. Glory To The Brave
10. Ravenlord (Stormwitch Cover) *
11. Glory To The Brave (radio edit) *
CD2 – Live
1. The Metal Age (1998)
2. Steel Meets Steel (1998)
3. Stone Cold (1998)
4. Glory To The Brave (2012)
5. Hammerfall (2012)
6. The Dragon Lies Bleeding (2012)
7. Glory To The Brave Medley (2017)
DVD
The First Crusade:
1. Introduction
2. Steel Meets Steel - First Live Show
3. Glory To The Brave - Clip 1
4. HammerFall
5. Steel Meets Steel – Live
6. Glory to the Brave - Clip 2
7. The Making of “Glory To The Brave”
8. Ravenlord - Live (Stormwitch Cover)
9. The Metal Age - Live
10. Nominated for the Swedish Grammy Award
11. Stone Cold – Live
Interview 2017:
12. Chapter I: The Early Days
13. Chapter II: The Rockslaget Festival
14. Chapter III: The Album
15. Chapter IV: New Members, Wacken & Touring
Live: Dynamo Festival 1998
16. Child Of The Damned
17. The Metal Age
18. Steel Meets Steel
19. Eternal Dark
20. The Dragon Lies Bleeding
21. Stone Cold
22. HammerFall

O Hammerfall surgiu no ano de 1993, como um projeto despretensioso de ex-membros e membros de bandas como Cerimonial Oath, In Flames e Dark Tranquillity. Em virtude disso, o grupo meio que ficou em segundo plano, já que o foco dos músicos aqui envolvidos estava em seus grupos principais. Até que 1996 chegou, marcando a grande virada na história do Hammerfall. Foi nesse ano que, quando do impedimento do vocalista Mikael Stanne (Dark Tranquillity) em se apresentar com a banda em um concurso, deu-se a entrada de Joacim Cans. A química foi tão boa, que ele foi efetivado no posto, e no ano seguinte, receberam o convite da Nuclear Blast para lançarem um álbum. Daí em diante, a coisa tomou outra figura.

Para você entender a importância de Glory to the Brave no cenário do Heavy Metal, precisa compreender bem a conjuntura do momento em que foi lançado. A década de 90 foi cruel com o estilo, que foi relegado pelo grande público em prol do Grunge, do Rock Alternativo e do Nu Metal. Agravando o panorama, os grandes nomes do Metal não passavam por sua melhor fase, com trocas de membros importantes e lançamentos de álbum que foram muito contestados, não só pela imprensa especializada, como também por uma parcela dos fãs. Em 1997, bandas como Silverchair, Radiohead, Oasis, No Doubt, Prodigy, Korn e Limp Bizkit estavam se tornando cada vez mais populares, enquanto o Metallica lançava nada menos que o catastrófico ReLoad. Muitos diziam que o Heavy Metal estava ultrapassado, morto. E quer saber? Era meio difícil ir contra tal afirmação, dado a falta de novidades e o vazio criativo existente.

Direto, sem espaço para modernidades e focando em um Heavy/Power rápido e clássico, Glory to the Brave tomou de assalto a cena, sendo sem dúvida alguma, ao lado de Legendary Tales do Rhapsody, o principal responsável por alavancar o estilo, o tornando novamente popular entre os apreciadores de música pesada. Era um trabalho que nos remetia diretamente a era de ouro do Hard/Heavy oitentista, com suas guitarras simples, afiadas e rápidas, sua parte rítmica forte e firme, ótimas melodias, muita musicalidade e refrões simplesmente grudentos. A sensação de saudosismo, de retorno a um passado nem tão distante assim, onde a realidade do fã de Metal parecia mais simples, foi inevitável. A sonoridade, calcada em nomes como Iron Maiden, Helloween e Manowar, dentre outras, também ajudava muito. 


Mas sejamos sinceros, nada disso ajudaria se a música em si não possuísse qualidades, e isso ela tem de sobra. Glory to the Brave é um dos álbuns clássicos dos anos 90 quando falamos de Heavy Metal, e esse relançamento comemorativo é muito bem-vindo. As canções aqui presentes foram remasterizadas, e o CD recebeu farto material extra. Além de duas faixas bônus que já eram conhecidas do público, o cover para “Ravenlord” do Stormwitch, e a versão editada de “Glory to the Brave”, temos um segundo CD, com 7 músicas ao vivo, gravadas em períodos diferentes da carreira, um DVD contendo parte do documentário The First Crusade, que até então só era acessível através das boas e velhas fitas VHS, uma entrevista de 2017 e o show de 1998 no Dynamo Open Air. Tudo isso vem embalado em formato digipack e com um encarte riquíssimo, cheio de memorabília da banda.

Quanto as músicas em si, são clássicas dentro do repertório do Hammerfall. O trabalho de remasterização foi muito bem-feito, deixando as canções mais claras e vivas, confirmando a força das mesmas. Impossível não se empolgar com a básica e eficiente “The Dragon Lies Bleeding”, a agressiva “The Metal Age” e suas boas guitarras gêmeas, a explosiva “HammerFall”, a versão mais do que definitiva para “Child Of The Damned”, do Warlord – curiosamente, Cans acabou fazendo parte da banda entre 2002 e 2003, gravando inclusive um álbum – e a ótima  “Unchained”. Além disso, mostram uma competência ímpar nas duas belíssimas baladas aqui presentes, “I Believe” e a incrível “Glory of the Brave”. Um clássico mais do que obrigatório na coleção de qualquer fã de Heavy/Power.

NOTA: 91

Hammerfall (gravação)
- Joacin Cans (vocal);
- Oscar Dronjak (guitarra);
- Glenn Ljungström (guitarra);
- Fredrik Karsson (baixo);
Convidados
- Patrik Räfling (bateria);
- Stefan  Elmgren (guitarra e violão em I Believe);
- Mats Hansson (guitarra);
- Fredrik Nordström (piano e teclado).
- Jesper Strömblad (composição e letras nas faixas de 1 à 3 e de 7 à 9).

Homepage
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram



quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Paradise Lost – In Requiem (2007/2018)


Paradise Lost – In Requiem (2007/2018)
(Century Media/Shinigami Records – Nacional)


01. Never for the Damned
02. Ash & Debris
03. The Enemy
04. Praise Lamented Shade
05. Requiem
06. Unreachable
07. Prelude to Descent
08. Fallen Children
09. Beneath Black Skies
10. Sedative God
11. Your Own Reality

Draconian Times foi o auge criativo do Paradise Lost, assim como um ponto de virada em sua carreira. As altíssimas vendas geraram uma carga de shows pesada e estafante, e a vontade de buscar novos horizontes criativos. Isso pode ser observado em seus trabalhos seguintes, One Second, Host e Believe in Nothing, mais experimentais e que não foram, ao menos na época, muito bem recebidos por uma parcela dos seus fãs. Após isso, começaram a seguir um caminho oposto, retornando lentamente ao seu passado musical, mostrando que é possível sim, caminhar adiante sem deixar de olhar para o passado.

In Requiem é o álbum que marca o retorno do Paradise Lost ao Metal Gótico dos tempos de Icon e Draconian Times, tanto que não soaria nada deslocado se tivesse sido lançado na sequência desse último. Por mais que o caminho para ele tenha sido pavimentado pelos 2 trabalhos anteriores, Symbol of Life e Paradise Lost, o que escutamos aqui não deixa de ser inesperado. Diversificado e consistente, equilibra muito bem as diversas facetas da banda, soando pesado, épico, agressivo e sombrio, mas sem abrir mão das belas melodias e de alguns dos melhores solos de sua carreira. Aliás, vale dizer que o trabalho das guitarras aqui é primoroso, com destaque claro para Greg Mackintosh e seus riffs envolventes e melancólicos.

A primeira metade de In Requiem prima principalmente pelo peso, soando bem forte, com riffs pesados e alguns elementos de Doom presentes. É onde temos as melhores canções de todo álbum. A segunda parte também possui boas qualidades, mas já se envereda um pouco mais pelo Gothic Rock, primando bem mais pelas melodias cativantes. Mesmo que esteja levemente abaixo, não compromete em nada, já que não existe uma música sequer que possamos chamar de fraca. Além do já citado trabalho das guitarras, vale destacar o belíssimo trabalho vocal de Nick Holmes. Mesclando o estilo de Icon/Draconian Times, com o que observamos na fase seguinte, consegue soar forte e altamente emocional.


São 11 canções do mais alto nível, mas onde cabem alguns destaques. “Never for the Damned” tem ótimos riffs e vocais, além de belos solos, e “Ash & Debris” não fica nada atrás nesse sentido, destacando-se pelo uso discreto e competente dos teclados. Ainda hoje considero “The Enemy” uma das 10 melhores canções da carreira do Paradise Lost, com seu peso e refrão primoroso. Os corais femininos são um diferencial a parte. Um clássico. “Praise Lamented Shade” é daquelas canções sombrias e melancólicas que sempre marcaram a carreira dos ingleses, enquanto Requiem é simplesmente primorosa. Mackintosh e Aedy brilham com um trabalho de guitarra que transborda melancolia, e não é exagero dizer que ela teria espaço em um álbum como Shades of God. “Beneath Black Skies” não abre mão do peso, mas se envereda mais pelos caminhos do Gothic Rock, com destaque principalmente para sua introspecção e refrão. O encerramento, com “Your Own Reality”, também vale ser destacado, graças a sua suavidade e belíssimas melodias, que dão um ar sombrio a canção.

A produção de Rhys Fulber mostra qualidade, com a mixagem de Mike Fraser (Dio, Metallica, Rush, Slayer), e masterização de U.E. Nastasi (Dream Theater, Gojira, Lamb of God, Cradle of Filth) fazendo a diferença no bom resultado. Já a capa, do renomado Seth Siro Anton (Moonspell, Rotting Christ, Exodus), é para mim, uma das melhores da carreira da banda. No fim, temos em mãos um ótimo álbum de Gothic Metal, onde é possível perceber toda a paixão da banda pelo que fazem. In Requiem mostrou que ao contrário do que alguns pensavam, que o Paradise Lost ainda era sim, uma banda absurdamente criativa e capaz de lançar ótimos álbuns. O Rei estava mais vivo do que nunca, e de volta ao trono que sempre foi seu por direito.

NOTA: 88

Paradise Lost (gravação)
- Nick Holmes (vocal);
- Gregor Mackintosh (guitarra/teclado);
- Aaron Aedy (guitarra);
- Stephen Edmondson (baixo);
- Jeff Singer (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube


terça-feira, 23 de outubro de 2018

Paradise Lost – Believe in Nothing (2001/2018)


Paradise Lost – Believe in Nothing (2001/2018)
(Nuclear Blast/Shinigami Records – Nacional)


01. I Am Nothing
02. Mouth
03. Fader
04. Look At Me Now
05. Illumination
06. Something Real
07. Divided
08. Sell It To The World
09. Never Again
10. Control
11. No Reason
12. World Pretending
13. Gone (Bonus Track)
14. Leave This Alone (Bonus Track)

Falando como “torcedor” do Paradise Lost, sempre tive sérios problemas com Believe in Nothing, já que é o álbum que menos gosto em toda a discografia da banda. Dei chances e mais chances ao mesmo, mas no final a conclusão era sempre a mesma: fraco. Em contrapartida, conheço muitas pessoas que são tão fãs da banda quanto eu, mas que apreciam muito este álbum, deixando claro que no fim, tudo é uma questão unicamente de gosto pessoal, da forma como uma expressão artística atinge o receptor. Sendo assim, resolvi deixar meu ranço de lado e ser o mais imparcial possível com relação ao álbum em questão.

Alguns anos atrás, Greg Mackintosh disse em uma entrevista que a fase compreendida entre Host e Believe In Nothing foi muito sombria e confusa para a banda, tanto do ponto de vista musical como pessoal. Conflitos internos, falta de foco e principalmente forte pressão da gravadora – a na época gigante EMI -  para o lançamento de um trabalho de fácil assimilação e alta vendagem marcaram esse período. Vale dizer que inclusive a mesma interferiu diretamente na produção do álbum, sem autorização da banda, resultando assim na perda de peso das guitarras na mixagem, o que causou forte desconforto. O Paradise Lost nunca escondeu sua má vontade com o resultado de Believe In Nothing, por isso não foi surpresa que logo após o relançamento de Host no começo de 2018, anunciassem uma versão remixada e remasterizada pelas mãos de Jaime Gomez Arellano, atual produtor da banda.

A versão original de Believe In Nothing sempre me soou como um álbum de Rock Alternativo, com alguns toques de goticismo. Apesar de as guitarras terem retornado ao centro das atenções, em momento algum soavam pesadas como deveriam, e os elementos Synth Pop/Goth que funcionaram tão bem em Host, passaram a ocupar um espaço menor. Era como se tivéssemos um legítimo sucessor de One Second, mas sem a pegada necessária. Além disso, sempre enxerguei uma forte variação de qualidade entre as faixas, com algumas onde eu conseguia ver potencial e outras que me faziam pular para a música seguinte. Sendo assim, a curiosidade para escutar a versão remixada e remasterizada era grande, afinal, ela seria um retrato quase perfeito do que a banda buscava originalmente apresentar.


A primeira coisa que me chamou a atenção, é que as músicas onde eu enxergava potencial, realmente eram boas. Canções como “I Am Nothing”, com bom refrão e guitarras, “Mouth”, e seu ar emotivo e obscuro, “Fader”, onde o lado gótico foi realçado, “Look At Me Now”, com elementos eletrônicos que remetem ao Host, a ótima “Illumination”, com suas guitarras que lembram The Sister of Mercy, e a lenta, profunda e pesada “World Pretending”, finalmente mostraram toda a sua força. As guitarras soam fortes e vivas, com os elementos góticos típicos da banda ganhando o merecido destaque. Quanto as demais canções, nem todas funcionam como deveriam. Algumas, como “Sell It To The World”, “Something Real” e “Divided” até conseguiram crescer um pouco em qualidade, apesar de um tanto convencionais, mas outras como “Never Again”, “Control” e “No Reason” continuaram soando fracas e sem inspiração. Para completar o pacote, temos 2 faixas bônus, a boa e sombria “Gone”, que sinceramente deveria ter entrado na versão normal do álbum, e  “Leave This Alone”, que não compromete.

A melhora ocorrida através da remixagem e remasterização é gritante, e ao menos aos meus ouvidos, deu novas cores a Believe In Nothing. Como já dito, ainda sim nem tudo funciona as mil maravilhas, e o álbum começa a soar um pouco cansativo do meio para frente, até mesmo por ocorrer uma pequena queda de qualidade no que tange as canções. A produção feita por Jaime Gomez Arellano conseguiu tirar parte da má impressão que eu tinha com relação ao trabalho. Não vou mentir que para mim, continua sendo o elo mais fraco de uma discografia brilhante, mas agora é um elo melhor do que muita coisa que se escuta por aí. Quem diria que um dia eu acharia Believe In Nothing um bom álbum? Os tempos mudam meus amigos, mudam muito.

NOTA: 78

Paradise Lost (gravação)
- Nick Holmes (vocal);
- Gregor Mackintosh (guitarra/teclado);
- Aaron Aedy (guitarra);
- Stephen Edmondson (baixo);
- Lee Morris (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube


segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Paradise Lost – Host (1999/2018)


Paradise Lost – Host (1999/2018)
(Nuclear Blast/Shinigami Records – Nacional)


01. So Much Is Lost
02. Nothing Sacred
03. In All Honesty
04. Harbour
05. Ordinary Days
06. It’s Too Late
07. Permanent Solution
08. Behind The Grey
09. Wreck
10. Made The Same
11. Deep
12. Year Of Summer
13. Host

Antes de começar a resenha, já deixarei mais do que claro: sou “torcedor” do Paradise Lost. Sendo assim, ao ler isso, é provável que você já imagine, e com razão, que sou desses que endeusa tudo que o quinteto inglês faz. Bem, devo informar que sou torcedor sim, mas daqueles críticos, que sempre quer ver a banda dando o seu melhor. Claro, nem sempre foi assim, afinal, todos temos aquela fase mais “die hard”, onde o radicalismo impera, como também aquela acrítica, onde tudo é lindo e maravilhoso. Host é, sem dúvida, o trabalho que melhor se encaixa na minha fase radical.

Quando o mesmo saiu no ano de 1999, minha primeira reação ao escutá-lo foi a mesma de muitos fãs da banda até então: “Que m#$&* é essa?”. Essa foi a pergunta que me fiz quando da primeira audição de Host, e confesso, a única por muitos, muitos anos. Porque tal reação? Bem, talvez porque aqui o Paradise Lost leva seu experimentalismo ao extremo, ousando sair do comodismo e explorando novos horizontes criativos, algo para o qual eu, com meus 22 anos, não estava maduro o suficiente para entender e aceitar. Não tenho vergonha de admitir que o odiei por muito tempo, até ter a maturidade o suficiente para finalmente compreender o que se descortinava diante de mim.

Host é um álbum de Synth Pop/Goth, influenciado pelos anos 80, principalmente por Depeche Mode, e em 1999, poucos estavam preparados para tal mudança. Era difícil compreender que essa era o mesmo grupo responsável por lançar 4 anos antes, um dos melhores álbuns de Metal de todos os tempos, Draconian Times. Onde estavam os vocais agressivos, as guitarras distorcidas, a bateria enérgica? Tudo que eu conseguia escutar eram vocais limpos (algo que já haviam apresentado em One Second), guitarras sintetizadas, que ficavam em segundo plano, pois, eram soterradas pelos teclados, samplers, além de uma parte rítmica que mais parecia ter saído de um álbum Synth Pop oitentista. Pois, hoje chegou o dia de redimir Host.


O Paradise Lost sempre se caracterizou pelo ecletismo durante toda a sua carreira, por isso chega a ser difícil acreditar que existam fãs radicais da banda por aí, são quase que mitos, mas já conheci alguns, nessa vida. Se por acaso você é um desses “unicórnios” perdidos, deve estar se perguntando o porquê de redimir um álbum que foge de tudo que a banda fez antes e depois. Possivelmente porque sou fã há 27 anos – o que equivale a 65% do meu tempo de vida até hoje -, e, porque aprendi a apreciá-lo, mas principalmente, porque mudei muito nesses quase 20 anos e sou teimoso como uma mula quando acredito em algo. Bem, acredito em Host.

Hoje, quando olho para trás, consigo ver que esse era o passo lógico a ser dado após One Second, e que apenas foram em frente com relação ao que haviam apresentado no mesmo. Consigo enxergar também que as características básicas da banda continuam mais que presentes, bastando você se despir de opiniões pré-concebidas e de radicalismos. Apesar de todos os efeitos que foram utilizados para dar um clima eletrônico e atmosférico, aquelas guitarras únicas e inconfundíveis se fazem presentes, incluindo aí os riffs e fraseados fantásticos, característicos do trabalho de Mackintosh, que dão o toque de melancolia típico do Paradise Lost. Os vocais de Nick, seguindo na mesma tocada de One Second, estão simplesmente primorosos, mostrando uma maturidade absurda. Ainda hoje, considero esse seu melhor desempenho vocal em um álbum da banda.

 

Além de tudo que foi citado, temos aqui o mais importante, ou seja, aquela vibração sombria que perpassa toda a carreira da banda, um DNA Paradise Lost. A música aqui é cativante e atmosférica, com um goticismo latente que se faz presente em cada uma das canções. Mesmo sem o peso das guitarras, a melancolia se faz inerente, e isso é o mais importante quando se trata da banda. Host consegue ser simples em sua fórmula, mas, ao mesmo tempo, rico e complexo, graças às diversas camadas de guitarras e teclados. É sim, um álbum de muitas texturas e sabores, que deve ser apreciado com calma e sem pressa alguma. Canções como “So Much Is Lost”, “Nothing Sacred”, “Ordinary Days”, “Permanent Solution”, “Behind The Grey” e “Made The Same” possuem elementos em comum, que permitem as guitarras sintetizadas e aos teclados se destacarem, além de ótimas melodias e refrões que cativam já na primeira audição, envolvendo o ouvinte com uma facilidade absurda.

Claro que se você não for fã desse tipo de proposta, a lógica é achar Host um álbum monótono, já que em um ou outro momento a coisa fica toda um pouco arrastada, e existe certa tendência às canções parecerem um pouco entre si. Mas se for desses que apreciam Synth/Goth, e principalmente Depeche Mode, fatalmente vai terminar envolvido e imerso no álbum durante sua audição. Por falar no veterano duo inglês, uma vez li que Host é o álbum que o Depeche Mode deveria ter lançado após Ultra, e sendo apreciador de ambas as bandas, fica meio difícil não concordar, dada a qualidade dos temas aqui presentes. Vale destacar também a excelente produção, já que por se tratar do trabalho de estreia da banda pela gigante EMI, recebeu todo o suporte da gravadora nesse sentido. Ouso dizer que nunca conseguiram nada tão perfeito nesse sentido até hoje.

Resumindo, se você se encaixa no grupo que tem ressalvas ao trabalho, abra a sua cabeça, dispa-se de seus preconceitos e terá em mãos um álbum de rara qualidade em se tratando de Synth Pop/Goth. Se for fã, pode mergulhar de cabeça, chamar de Depeche Lost ou Paradise Mode, até porque para mim, ainda é o melhor álbum do Depeche Mode não lançado pelo Depeche Mode. Se não se encaixa em nenhum dos 2 grupos, apenas aproveite um álbum de extrema qualidade.

NOTA: 87

Paradise Lost (gravação)
- Nick Holmes (vocal);
- Gregor Mackintosh (guitarra/teclado);
- Aaron Aedy (guitarra);
- Stephen Edmondson (baixo);
- Lee Morris (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube


segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Rotting Christ - Triarchy of the Lost Lovers (1996/2018)


Rotting Christ -Triarchy of the Lost Lovers (1996/2018)
(Cold Art Industry - Nacional)


01. King of a Stellar War
02. A Dynasty from the Ice
03. Archon
04. Snowing Still
05. Shadows Follow
06. One with the Forest
07. Diastric Alchemy
08. The Opposite Bank
09. The First Field of the Battle
Bonus Tracks
10. Tormentor (Kreator cover) *
11. Flag of Hate/Pleasure to Kill (Kreator cover) *

Não vou dizer que Triarchy of the Lost Lovers é o melhor álbum da carreira do Rotting Christ, afinal, estamos falando de uma banda que tem em sua discografia, obras do porte de Thy Mighty Contract (93), Non Serviam (94), A Dead Poem (97), Khronos (00) e Sanctus Diavolos (04). Entretanto, sem dúvida, o 3º trabalho dos gregos é o preferido de muitos fãs espalhados pelo mundo. E é justamente ele que a Cold Art Industry, em um verdadeiro serviço de utilidade pública, lança em versão nacional, em uma edição similar à que foi lançada em digipack no ano de lançamento. Isso significa que temos aqui 3 covers do Kreator, mais precisamente para as clássicas “Tormentor”, “Flag of Hate” e “Pleasure to Kill” (essas duas em um medley). A diferença aqui se dá pelo fato de o material vir em caixa acrílica, embalado em um slipcase e limitado apenas a 500 cópias.

Mas o que Triarchy of the Lost Lovers possui de tão especial? Ele é só o álbum que definiu o Rotting Christ como banda. Não entendam mal, Thy Mighty Contract e Non Serviam são trabalhos fabulosos, mas não apresentavam qualquer novidade quanto a questão estilística, mesclando Black Metal com Thrash, e se diferenciando do que outras bandas faziam unicamente na questão da inspiração para as composições. Já aqui podemos observar uma boa dose de elementos góticos, que unido ao que a banda fazia, gerou aquilo que muitos rotularam de Dark Metal. As músicas alternam entre o mid-tempo e o cadenciado, com boas mudanças de tempo e melodias que conseguem dar um aspecto sombrio, triste e fúnebre às canções. O álbum possui uma atmosfera bem emocional e espiritual, que o transformaram em um trabalho único até então.

A evolução da banda fica muito clara, e é possível observarmos um refinamento muito maior de seu som. As canções estão mais bem trabalhadas, as guitarras despejam riffs afiadíssimos e cortantes, sem abrir mão das melodias, enquanto o baixo, bem sólido, e a bateria, bem variada, dão peso às músicas. Nota-se também que os vocais já não soam tão forçados quanto nos 2 trabalhos anteriores. É, sem dúvida, sua obra mais madura e agradável aos ouvidos, com uma musicalidade muito superior ao de álbuns anteriores. Vale destacar também que Triarchy of the Lost Lovers funciona bem, tanto se analisarmos suas faixas de forma individual, como se o fizermos pelo todo. A coesão do material impressiona.


Apesar do nível altíssimo apresentado, ainda é possível apontarmos alguns destaques dentre as 9 canções que compõem o álbum. “King of a Stellar War” abre o trabalho de forma cativante, com seu ritmo mais lento e suas ótimas melodias.  “A Dynasty from the Ice” se destaca não só pelos ótimos riffs, como por possuir boas passagens atmosféricas. “Archon” é enérgica, pesada e bruta, enquanto a bela e cadenciada “Snowing Still” chama a atenção pelas suas melodias taciturnas, além de possuir um belo solo. “One with the Forest” tem uma boa utilização do teclado, responsável por boas passagens atmosféricas, além de, claro, ser mais uma que se destaca pelas melodias. “The Opposite Bank” é dessas canções fortes que tem um trabalho de guitarra bem marcante, e  “The First Field of the Battle”, que encerra a versão padrão do álbum, tem não só bons riffs, como um clima sombrio.

A produção ficou nas mãos do hoje experiente Andy Classen, mas que na época vinha iniciando sua carreira de produtor. O resultado foi superior ao que haviam apresentado até então, já que tudo está audível, limpo e com uma boa organicidade, capaz de passar uma sensação de frieza ao ouvinte. Já a capa foi obra de Stephen Kasner, e é uma das mais marcantes da carreira dos gregos. Triarchy of the Lost Lovers é o álbum definidor da carreira do Rotting Christ, onde conseguiram equilibrar o peso do Black e a melancolia do Gothic, dando assim um norte para seus trabalhos futuros. Um clássico obrigatório na coleção de qualquer bom amante do Heavy Metal.

NOTA: 89

Rotting Christ é:
- Sakis Tolis (vocal/guitarra);
- Jim Patsouris (baixo);
- Themis Tolis (bateria/percussão).

Homepage
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
Cold Art Industry

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Sun Diamond - Sun Diamond (2017)


Sun Diamond - Sun Diamond (2017)
(Independente - Nacional)


01. Frozen Bones
02. Detached
03. Let Me Drunk (and R.I.P)
04. Go To The Yard
05. She Took the High Road
06. To Call Home
07. Money Wars
08. Blackstar
09. My Bunker

Surgida em Recife no ano de 2014, o Sun Diamond é mais um nome vindo do fortíssimo cenário nordestino, que sempre revela ótimos nomes para a música, seja em estilos mais pesados, ou nos mais “populares”. Mas convenhamos, em se tratando de uma região tão rica culturalmente e com um povo tão batalhador e trabalhador, não poderíamos esperar menos. Que olhemos com mais atenção e carinho para o cenário e público da região, pois, merecem mais-que-tudo. Loas a região à parte, vamos ao que interessa.

Apesar de ser uma banda relativamente nova, o Sun Diamond já chega ao seu debut, nos apresentando uma mescla bem interessante de Heavy Tradicional e Hard Rock, que apesar de transparecer suas influências, já consegue apresentar certa identidade. Sua música se mostra bem trabalhada, com boa técnica, algumas mudanças de andamento, além de bom peso (cortesia da parte rítmica com o baixista Miguel Guerra e o baterista Lucas Alves), riffs e solos consistentes, entregues pela dupla Eduardo Teixeira e Leo Campanha, e melodias que podem cativar o ouvinte.

Mas existe um porém que não pode ser ignorado, e que afeta sim um pouco o resultado: os vocais. Não que Aílton Neto seja ruim, mas se não bastasse seu timbre não ser dos mais agradáveis (mas nesse caso já é uma questão de gosto pessoal), em diversos momentos resolve insistir com vocais mais agudos, que me perdoe, na maior parte do tempo soam irritantes. Sério, não sei ao vivo, mas no CD não funcionou mesmo, a ponto de, em alguns momentos, eu me sentir tentado a parar a audição. Se não o fiz, é porque o instrumental da banda conseguiu me fazer relevar esse detalhe. Mas foi difícil.


São 9 músicas que possuem um nível bem homogêneo de qualidade, mas com alguns inevitáveis destaques. “Frozen Bones” se mostra bem enérgica, apesar de alguns momentos em que o vocal irrita, enquanto “Detached” tem um pé no Hard Rock, mas sem abrir mão do lado Heavy da banda. “Go To The Yard” é um Heavy/Hard que empolga, com um trabalho bem legal das guitarras, além de ter um refrão bem legal. “She Took the High Road” tem um pé no Classic Rock e em alguns momentos o instrumental pode remeter ao Black Sabbath. Ok, os primeiros segundos de “Money Wars” me lembraram da introdução de alguma música do Green Day, e isso se repete em um ou outro momento, mas na maior parte do tempo temos um Heavy Tradicional de respeito.

A produção se mostra bem simples, mas funcional e não chega a comprometer, possuindo uma boa dose de crueza. Particularmente penso que poderiam ter refinado um pouco mais as coisas, mas ainda sim a mesma se encaixa dentro da proposta sonora da banda. A capa também se mostra bem simples, deixando claro que o ponto central do trabalho é sua música. O Sun Diamond nos entrega um bom trabalho de estreia, consistente, coeso, e que mostra potencial para voar bem mais alto. Tudo é questão de aparar algumas arestas, algo esperado em uma banda tão nova.

NOTA: 7,4

Sun Diamond é:
- Aílton Neto (vocal);
- Eduardo Teixeira (guitarra);
- Leo Campanha (guitarra);
- Miguel Guerra (baixo);
- Lucas Alves (bateria).

Facebook
YouTube
Soundcloud



segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Melhores álbuns – Setembro de 2018


No primeiro domingo de cada mês o A Música Continua a Mesma fará uma lista com os melhores álbuns do mês anterior. Nela, respeitaremos as datas oficiais de cada lançamento, então sendo assim, não contaremos a data que os mesmos vazaram na internet, mas sim quando efetivamente foi ou será lançado.

Sendo assim, ai vão os melhores lançamentos de setembro na opinião do A Música Continua a Mesma.

1º. Krisiun - Scourge Of The Enthroned


2º. Anaal Nathrakh - A New Kind of Horror 


3º. Joe Bonamassa - Redemption
 

4º. Facada - Quebrante


5º. Deicide - Overtures Of Blasphemy


6º. Mayan - Dhyana
 

7º. Vôdûn - Ascend


8º. Clutch - Book of Bad Decisions 


9º. Monster Truck - True Rockers


10º. Attacker - Armor of the Gods
 

Menções Honrosas

- Monstrosity - The Passage of Existence


- Sorcier des Glaces - Sorcier Des Glaces


- Wolfheart - Constellation of the Black Light


- Aborted - TerrorVision


- Eternal Sacrifice - Ad Tertivm Librvm Nigrvm

 

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Behemoth - I Loved You at Your Darkest (2018)


Behemoth - I Loved You at Your Darkest (2018)
(Nuclear Blast Record – Importado)

01. Solve
02. Wolves ov Siberia
03. God = Dog
04. Ecclesia Diabolica Catholica
05. Bartzabel
06. If Crucifixion Was Not Enough…
07. Angelvs XIII
08. Sabbath Mater
09. Havohej Pantocrator
10. Rom 5:8
11. We Are the Next 1000 Years
12. Coagvla

Sempre tive grande apreço pelo Behemoth, e ainda devo ter em algum canto aqui em casa, minhas fitas-cassetes de Grom (96), Pandemonic Incantations (98) e Satanica (99), gravadas na segunda metade dos anos 90. Era uma época em que, por viver em uma cidade do interior e não ter lá muitas condições de adquirir CD’s, eu costumava fazer um “catadão” nas coleções de alguns amigos e passar tudo para as “abençoadas fitinhas”. Talvez por isso, sempre que vejo o nome da banda em algum site ou revista, sempre que anunciam algum material novo, me bate certo saudosismo desses tempos, quando sim, tudo parecia mais simples, até mesmo quando falávamos de Heavy Metal.

Não sei se em algum momento, Nergal imaginou que o Behemoth poderia se tornar tão grande quanto se tornou dentro do cenário metálico mundial. Alguns detratores podem alegar que isso não se deu puramente por razões musicais, afinal, seu vocalista e guitarrista sempre foi um nome polêmico, já tendo inclusive encarado um tribunal em seu país, por ter rasgado uma bíblia durante um show. O crescimento começou efetivamente com o lançamento de The Apostasy (07), se consolidou com Evangelion (09) e se tornou uma realidade com The Satanist (14), e a maior prova disso é toda a expectativa que antecedeu I Loved You at Your Darkest, seu 11º trabalho de estúdio. Eu mesmo estava ansioso há meses para escutá-lo.


The Satanist colocou a banda em um lugar de destaque dentro da cena, tendo sido não só um dos grandes trabalhos de sua carreira, como um dos destaques de 2014. Após um trabalho de tamanha repercussão positiva, a lógica seria muito simples, ou seja, manter a fórmula, a mesma pegada. Mas bem, estamos falando do Behemoth, e o comodismo, o caminho mais fácil, nunca foi lá a opção preferida da banda. Não que I Loved You at Your Darkest seja um álbum brutalmente diferente de seu antecessor, ele até possui alguns traços em comum, já que se mantém em busca das raízes da banda, mas passa longe de ser um clone ou uma simples continuação do mesmo. Ele é único, caminha com as próprias pernas, algo incomum para uma banda que chegou ao patamar que o Behemoth se encontra no momento.

Nergal e cia procuraram explorar novas fronteiras musicais, sem que isso necessariamente tenha significado fugir da sonoridade padrão da banda. Suas características básicas continuam aqui, com riffs fortes e sinistros – alguns poderiam estar em Demigod, por exemplo – e uma parte rítmica que se destaca não só pela coesão, mas pelo peso e técnica. Ainda sim, é um álbum mais flexível que The Satanist, o que pode ser observado nas utilizações de corais infantis e gregorianos ou em passagens acústicas. Essa maior flexibilidade também permitiu que Orion (baixo) e Inferno (bateria) explorassem mais seus lados criativos, além de colocar a guitarra no centro das canções (por mais que em alguns momentos elas sejam abafadas pela bateria e pelos vocais, que estão bem altos).

“Solve” é uma introdução simples e funcional, já que o coral infantil aqui utilizado funcionou muito bem, ajudando a dar aquele ar escuro e melancólico que será observado no decorrer do trabalho. “Wolves ov Siberia” é um dos momentos onde podemos traçar um paralelo entre I Loved You at Your Darkest e The Satanist. É agressiva, rápida e tem um pé bem firme no Black Metal. Outra que segue bem essa linha é a já conhecida “God = Dog”, que tem aqueles riffs de guitarra bem característicos do Behemoth. Caótica e anárquica, é enriquecida não só pelo coro gregoriano, como também pelos corais infantis que resurgem em determinado momento. Não soa exagerado dizer que é uma fotografia do álbum como um todo. “Ecclesia Diabolica Catholica” tem uma queda para o Black Melódico, mas sem abrir mão daquele peso esmagador do Death Metal. Além disso, tem um ótimo refrão, bons solos, e a bateria de Inferno soa simplesmente infernal (a tentação do trocadilho foi maior).


“Bartzabel” surge para dar uma quebrada na ferocidade do álbum até então. Melancólica e mais arrastada, tem algo de Doom e um clima um tanto ritualístico. É sem dúvida alguma a canção mais melódica de todo o trabalho. Destaque para o coro gregoriano repetindo “Come unto me Bartzabel”, que soa sinistro. Você sente que a qualquer momento o demônio pode se materializar diante de você. “If Crucifixion Was Not Enough…” é um Death/Black enérgico, agressivo, com ótimos solos e com um trabalho primoroso da parte rítmica. “Angelvs XIII” é dessas canções esmagadoras que o Behemoth faz como poucos, e poderia estar tranquilamente em Demigod ou The Apostasy. O álbum dá uma pequena caída, com a sequência composta por “Sabbath Mater”, uma tentativa de continuidade de The Satanist, com bons riffs e vocais, e “Havohej Pantocrator”, dura escura e atmosférica. “Rom 5:8” é opressiva e visceral, com boa variação vocal, e “We Are the Next 1000 Years” é intensa, forte e simplesmente perturbadora. Encerrando, temos a instrumental “Coagvla”.

O álbum teve a produção realizada pela própria banda, com a coprodução da bateria por Daniel Bergstrand – que trabalha com o grupo desde Demigod, além de ter produzido nomes como Abbath, Dark Funeral, In Flames e Meshuggah –, mixagem de Matt Hyde (Children of Bodom, Marty Friedman, Slayer, Soufly) e masterização de Tom Baker (Bruce Dickinson, Judas Priest, Marilyn Manson, Megadeth, Pantera). O resultado é muito bom, apesar de a bateria ter ficado um pouco alta para o meu gosto. Apesar de limpo e claro, conseguiram manter uma pequena dose de crueza, algo que remete mais ao passado da banda. Já a bela capa foi obra do italiano Nicola Samori. Se recusando a dormir sobre os louros de seu trabalho anterior, o Behemoth conseguiu soar ainda mais efetivo, mas sem abrir mão de seus princípios.

NOTA: 89

Behemoth é:
- Nergal (vocal/guitarra);
- Orion (baixo);
- Inferno (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube



quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Heaviest – The Wall Of Chaos-T (2018)


Heaviest – The Wall Of Chaos-T (2018)
(Shinigami Records - Nacional)


01. Like Those Ones a
02. Thieves Of Live
03. Blood
04. Can’t You See?
05. Fire It Up
06. Hunted
07. Kill The King
08. All Of This
09. The End
10. Wake Up
11. E-Crime Suicide

A cena do Metal no Brasil tem certa repulsa ao que é moderno, já que tendência conservadora do headbanger em nosso país se reflete de diversas formas. Existe um forte culto, principalmente aos anos 80 e a primeira metade dos 90, as bandas e sonoridades surgidas nessa época. Para uma parcela considerável dos fãs, o que é novo ou moderno, sempre recebe o rótulo de “modinha”, sempre é tratado como algo menor ou sem qualidade. Não existe um equilíbrio entre passado, presente e futuro, e isso acaba refletindo diretamente na cena, que fica estagnada por se prender a um saudosismo e conservadorismo exacerbados.

O debut do Heaviest, Nowhere (15), se destacou justamente por fugir da fórmula padrão de boa parte das bandas nacionais. Nele foi possível escutar um Heavy Metal moderno, com toques de Groove, naquela pegada muito próxima do que é feita por bandas oriundas dos Estados Unidos, como Disturbed, Stone Sour ou Five Finger Death Punch, algo raro de se ouvir por essas paragens. Isso claro gerou uma expectativa grande pelo seu próximo trabalho, que aumentou com as mudanças de formação ocorridas na banda. Mario Pastore deixou os vocais da banda, que foram assumidas por Alax Willian, além de passarem a contar apenas com uma guitarra, após a saída de Márcio Eidt.

Bem, se o debut te agradou, pode relaxar, pois, mesmo com mudanças tão profundas, o Heaviest conseguiu manter sua sonoridade intocada. Os vocais de Alax conseguem soar até mais versáteis que os de Pastore, permitindo que invistam em uma maior diversidade musical. Não sentiram também a falta de uma guitarra, já que Guto Mantesso realiza um belo trabalho nesse sentido, pois, ouvimos não só uma sonoridade bem moderna, como também riffs bem pesados e bons solos. Renato Dias (baixo) e Vitor Montanaro (bateria) formam uma parte rítmica bem sólida, forte, pesada e diversificada.


De cara, já mostram ao que vieram com a ótima “Like Those Ones”, intensa, com um bom groove e um solo que se destaca. Na sequência temos a pesada “Thieves Of Live”, com bons riffs e melodias, e “Blood”, onde variam bem o andamento e os vocais de Alax se destacam acima da média. “Can’t You See?” é bem pesada, tem um que de Pantera e participação do guitarrista Matias Kupiainen (Stratovarius), enquanto “Fire It Up” tem bons riffs e vai agradar em cheio os apreciadores do debut. “Hunted” mescla bem o moderno e o tradicional, se destacando pelas melodias e pelo dueto vocal entre Alax e Zak Stevens. “Kill The King” se destaca pela agressividade e pelo peso, que sobram durante toda a sua execução. Já “All Of This” tem um belo solo de Lucas Bittencourt e melodias vocais agradáveis. A sequência final se dá com as pesadas “The End”, “Wake Up” e “E-Crime Suicide”, com bons riffs e melodias.

A produção ficou toda a cargo de Guto Montesso, com co-produção de ninguém menos que Roy Z. O resultado é uma sonoridade moderna e pesada, mas também clara e totalmente audível. Embalado em um digipack muito bonito, tem o seu trabalho gráfico todo realizado por Alax William, com um ótimo resultado. Mostrando não ter sentido as mudanças em sua formação, o Heaviest mostra um Metal moderno, que se caracteriza pelas boas melodias e pela força de sua música, sem abrir mão em momento algum do peso e da agressividade. Continuando nesse caminho, em breve vão se colocar entre os principais nomes do estilo no Brasil.

NOTA: 82

Heaviest é:
- Alax William (vocal);
- Guto Mantesso (guitarra);
- Renato Dias (baixo);
- Vitor Montanaro (bateria).

Homepage
Facebook
YouTube
Instagram



terça-feira, 2 de outubro de 2018

Drowned - 7th (2018)


Drowned - 7th (2018)
(Cogumelo Records/Greyhaze Records - Nacional)


01. The Bitter Art of Detestation
02. Rage Before Some Hope
03. Toothless Messiah
04. Murder, Sex, Hate and More
05. Violent March of Chaos
06. Damaged Wood Coffins
07. Epidemic and God Selfishness
08. Elitist Heaven Ruled by Devil
09. The Time Bomb Conscience
10. KRH317
11. Ministry of National Inquisition

Surgido no ano de 1994, em Belo Horizonte, o Drowned construiu uma carreira sólida nesses quase 25 anos de caminhada pelo underground nacional, através de álbuns como Bonegrinder (01), Butchery Age (03) e By the Grace of Evil (04), se tornando assim um dos principais nomes do Death/Thrash da nossa cena. Seu trabalho sempre foi muito correto, íntegro, e nunca se dobraram a modas, sendo dessas bandas que se caracterizam pela honestidade sonora durante toda a sua história. Sendo assim, depois de tanto tempo, porque mudar?

Após um hiato de 6 anos desde o lançamento de seu último álbum, o Drowned retorna com seu 7º trabalho de estúdio, sintomaticamente intitulado 7th, fazendo justamente o que se espera dele, ou seja, sendo ele mesmo. Mas vale frisar, isso não significa que estão se repetindo e lançando o mais do mesmo, já que por sobre uma base Death/Thrash, podemos observar influências mais modernas de Death Metal Melódico, Groove e até mesmo Progressive Thrash. Os vocais de Fernando Lima soam agressivos, e estão bem variados, enquanto as guitarras de Marcos Amorim e Kerley Ribeiro despejam bons riffs e uma dose interessante de melodias. A parte rítmica, com Rafael Porto (baixo) e Beto Loureiro (bateria) dá um show, com muitas variações de andamento, passagens quebradas aqui e ali, sendo responsável por esse ar mais atual que observamos na música do grupo.


Funciona 100% do tempo? Olha, serei sincero com vocês, até porque estou aqui justamente para isso: não. Seria fácil ficar rasgando seda para a banda, devido a sua importância para nossa cena, mas não seria justo. Existem alguns momentos, em faixas como “Murder, Sex, Hate and More”,  “Violent March of Chaos” ou  “Epidemic and God Selfishness”, que a coisa fica um pouco sem sal, por mais que na maior parte do tempo as músicas citadas tenham boas qualidades, principalmente no que tange aos riffs de guitarra, as melodias e as mudanças de tempo. São boas canções, mas falta algo mais. Já em músicas como “The Bitter Art of Detestation”, com sua boa mescla de agressividade e melodia,  “Toothless Messiah”, com algumas passagens bem brutas, “Damaged Wood Coffins”, a melhor de todo álbum, ríspida e melódica, e “The Time Bomb Conscience”, um Death/Thrash bruto, com bom trabalho das guitarras e uma pegada mais moderna, a fórmula funciona com perfeição e fica impossível o ouvinte não se empolgar.

A produção mostra um bom nível e conseguiu aliar clareza com peso e a dose de agressividade necessária. A parte gráfica também ficou bem-feita, e o CD vem embalado em um digipack bem caprichado. Com 7th, o Drowned mostra que é possível sim, buscar algo novo sem precisar virar as costas para o passado. Com uma música que não aposta puramente na velocidade, e mescla bem momentos mais ríspidos com outros mais melódicos, conseguiram uma sonoridade que tem tudo tanto para agradar os fãs mais antigos, como também conquistar novos.

NOTA: 83

Drowned é:
- Fernando Lima (vocal);
- Marcos Amorim (guitarra);
- Kerley Ribeiro (guitarra);
- Rafael Porto (baixo)
- Beto Loureiro (bateria)

Homepage
Facebook
YouTube
Instagram



quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Anaal Nathrakh - A New Kind of Horror (2018)


Anaal Nathrakh - A New Kind of Horror (2018)
(Metal Blade Records - Importado)


01. The Road To…
02. Obscene As Cancer
03. The Reek Of Fear
04. Forward!
05. New Bethlehem/Mass Death Futures
06. The Apocalypse Is About You!
07. Vi Coactus
08. Mother Of Satan
09. The Horrid Strife
10. Are We Fit For Glory Yet? (The War To End Nothing)

Tenho lá algumas certezas nessa vida, e uma delas é que no dia do apocalipse, a trilha sonora de fundo será a discografia do Anaal Nathrakh, duo inglês surgido no ano de 1999 e formado por Dave Hunt (Benediction) nos vocais e Mick Kenney nas guitarras, baixo e programação. Com uma discografia nivelada por alto e álbuns do porte de Hell Is Empty, and All the Devils Are Here (07), In the Constellation of the Black Widow (09) e mais recentemente The Whole of the Law (16), chegam ao seu 10º álbum de estúdio, com A New Kind of Horror.

Mas antes, vamos falar um pouco de história, aquela coisa que a maioria dos brasileiros hoje em dia não dá importância durante o período em que está na escola, mas depois que se forma, pensa que entende do assunto porque viu algum canal de YouTube, ou leu algum livro escrito por um jornalista. Em 2018, completa-se 100 anos que se findou a 1º Guerra Mundial (1914-1918), ou a Guerra das Guerras, um conflito que reuniu grandes potências de todo mundo e vitimou, entre civis e militares, 19 milhões de pessoas. Ela mudou de forma radical o mundo conhecido até então, alterando radicalmente o mapa territorial e político, e com consequências econômicas desastrosas para boa parte dos envolvidos de forma direta. Tudo isso acabou sendo determinante para os acontecimentos das décadas seguintes. Além disso, viu não só o surgimento de uma nova forma de fazer guerra (a guerra de trincheiras), como também gerou um avanço tecnológico no que diz respeito às armas, que se tornaram mais letais do que nunca.

Por tudo isso citado acima, o Anaal Nathrakh resolveu utilizar o conflito como base para A New Kind of Horror. E convenhamos, qual tema poderia ser mais perfeito para uma música com tamanho nível de insanidade, raiva e niilismo como a feita pelo duo britânico. A junção dos vocais doentios de Dave, com os riffs que mesclam Black Metal e Industrial, que nos são entregues por Mick, gera uma sonoridade quase apocalíptica, bruta e que beira a demência. Isso invariavelmente vai fazer o ouvinte se sentir em meio a uma trincheira, durante uma batalha, tamanho o clima de desconforto, medo e horror que as canções vão causar. Se não for para causar desconforto no ouvinte, o Anaal Nathrakh nem entra em estúdio para gravar. Vale dizer também que se comparado com The Whole of the Law, esse é um álbum mais simples e direto, por mais que as características de sempre estejam presentes.

 

Após a introdução com “The Road To…”, o horror toma conta com a forte “Obscene As Cancer”. É quase impossível não se sentir oprimido pelo peso dessa canção. O refrão também é ótimo. Uma coisa que sempre me impressiona na música do Anaal Nathrakh, é que mesmo com o inferno ocorrendo, os vocais limpos de Dave funcionam com perfeição quando surgem. “The Reek Of Fear” é simplesmente avassaladora, com seus riffs em profusão e pedais duplos, além de contar com uma variedade vocal absurda, com direito a falsetes de Hunt. “Forward!” pode causar algum desconforto nos mais radicais, pois, possui elementos que remetem ao Deathcore, mas o peso absurdo das guitarras, o ótimo groove, e as passagens industriais muito bem utilizadas, fazem dela um dos destaques do álbum. Essa sequência inicial é simplesmente avassaladora.

“New Bethlehem/Mass Death Futures” é dessas canções doentias que só o Anaal Nathrakh sabe fazer. Destaca-se principalmente pelas ótimas guitarras e sua mescla de Black e Industrial. É tipo uma batida de frente entre o Dimmu Borgir com o Fear Factory. E o que dizer de “The Apocalypse Is About You!”? Imagine você sendo atropelado por uma Betoneira carregada até o talo, sem freio, descendo uma ladeira a 150 Km/h. É ainda pior. “Vi Coactus” conta com vocais de Brandan Schieppati, do Bleeding Through, e se destaca pelos riffs industriais e pelo peso implacável, enquanto “Mother Of Satan” é a canção que possivelmente menos empolga em todo álbum, mas ainda sim é um verdadeiro rolo compressor quando assunto é agressividade. “The Horrid Strife” tem uma cadência interessante, bom groove e ótimas guitarras. Encerrando o álbum, a ótima “Are We Fit For Glory Yet? (The War To End Nothing)”, com um ar épico, uma variedade vocal absurda, um belo e surpreendente coral, e claro, a insanidade a qual estamos acostumados.

Como de praxe em todos os seus trabalhos, a banda cuidou de tudo no que diz respeito a produção e parte gráfica, sempre a cargo de Mick Kenney. O resultado é o que já conhecemos, ou seja, uma produção de qualidade, que te permite escutar todos os detalhes, mas que não abre mão da agressividade, do peso e daquela dose de sujeira necessária a música do duo. A capa, muito bonita, segue a temática lírica do trabalho. Mais uma vez o Anaal Nathrakh entrega aos seus fãs um álbum azedo, bruto, desconfortável, e violento, mas ainda sim belo. Uma trilha sonora para a vida, com seus momentos bons e ruins. A verdadeira música do apocalipse!

NOTA: 92

Anaal Nathrakh é:
- V.I.T.R.I.O.L. (vocal)
- Irrumator (guitarra, baixo, programação)

Homepage
Facebook
Twitter
YouTube



quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Orphaned Land - Unsung Prophets & Dead Messiahs (2018)


Orphaned Land - Unsung Prophets & Dead Messiahs (2018)
(Century Media Records/Shinigami Records – Nacional)

01. The Cave
02. We Do Not Resist
03. In Propaganda
04. All Knowing Eye
05. Yedidi
06. Chains Fall to Gravity (Feat. Steve Hackett)
07. Like Orpheus (Feat. Hansi Kursch)
08. Poets of Prophetic Messianism
09. Left Behind
10. My Brother's Keeper
11. Take My Hand
12. Only the Dead Have Seen the End of War (Feat. Tomas Lindberg)
13. The Manifest – Epilogue

"Canto que ha sido valiente
Siempre será canción nueva"

– Victor Jara (1932 – 1973)

Passei praticamente 9 meses escutando Unsung Prophets & Dead Messiahs, e confesso, me faltava coragem de pegar o mesmo para resenhar. Porquê? Simples, a cada nova audição feita, sentia novas emoções, conseguia notar nuances que não havia percebido das vezes anteriores. A verdade é que o 6º álbum de estúdio dos israelenses do Orphaned Land é um trabalho complexo, e de diversas formas diferentes. Seja do ponto de vista musical, com sua já conhecida mescla de elementos diversos, seja em seu conceito lírico, trabalhando em cima de um dos textos mais clássicos da filosofia, esse é um trabalho que te coloca para pensar. De janeiro a setembro, escrevi, apaguei, reescrevi, repensei conceitos, e bem, esse é o resultado de tal jornada. O texto é longo, não é uma resenha comum, mas convenhamos, Unsung Prophets & Dead Messiahs também não é um álbum padrão.

Imaginem um grupo de homens que sempre viveram em uma caverna, acorrentados pelas pernas e pescoços, sem poder mudar de lugar ou olhar para os lados. Não conseguem sequer ver a si mesmos na escuridão da caverna. A única coisa que enxergam é a parede diante de seus olhos. A luz existente, que arde fraca, é a de um “fogo” um pouco distante, localizada em um ponto mais alto da caverna, sendo que existe um pequeno muro entre esses homens e o mesmo. Ao longo desse muro, algumas pessoas passam carregando objetos como estátuas, figuras de animais, pedras, madeiras, e mais uma infinidade de materiais, que ultrapassam a altura dele. Enquanto fazem isso, alguns conversam entre si. Dessa forma, tais homens aprisionados conseguem ver na parede da caverna, suas sombras, a de seus companheiros e as de tais objetos citados. As sombras e seus sons são a realidade existente para essas pessoas. São o seu mundo, o que conhecem, e obviamente não questionam tal realidade, até porque não possuem conhecimentos para tal.

Imaginem então, que um desses homens é libertado e obrigado a olhar para a luz? Todos aqueles objetos que até então ele apenas via através de sombras, lhe pareceriam absurdamente estranhos. Ele não os reconheceria de forma alguma, e quando confrontado com a verdade, se sentiria desconfortável. Para ele, o que entendia e enxergava antes lhe pareceria muito mais confortável do que ser confrontado com a realidade. Já ouviram aquele ditado de que a ignorância é uma benção? Certamente a dor causada pela luz e todo esse estranhamento, o fariam querer virar novamente para a parede, onde conseguia distinguir o seu mundo, onde tudo era mais confortável. Com sua recusa em olhar para a luz, simplesmente o pegam e o arrastam a força para o alto, para fora da caverna, o expondo ao sol. Irritado com isso, e com os olhos ofuscados por tamanha claridade, ele certamente não conseguiria distinguir nada em um primeiro momento. Seria incapaz de enxergar o que dizem a ele ser real. 


Então após um tempo, ele começa a se habituar a tudo a sua volta. Começa a enxergar sua sombra, os homens, os objetos, as constelações no céu noturno e o próprio sol. E mais, observando tudo em seu entorno, começa a compreender o funcionamento do mundo e de como tudo aquilo afetava a sua antiga realidade. Sente então pena de seus antigos colegas. Um dia esse homem retorna a caverna, assumindo seu antigo lugar, mas dessa vez, por ter se acostumado à luz, sua visão acaba ofuscada justamente pela escuridão, e ele em um primeiro momento não consegue discernir direito as sombras na parede da caverna. Seus companheiros então concluem que ter ido em direção a luz o cegou, e que de forma alguma vale a pena ir até a mesma. E mais, caso alguém os tentassem libertar, para os levar até lá, seriam capazes de matar que o fizesse, afinal, a luz cega.

"Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem."
- Rosa Luxembrugo (1871 - 1919)

Bem, o que você acabou de ler é uma forma resumida da Alegoria da Caverna, texto do filósofo grego Platão (427-347 a. C.), presente no Volume VII de A República. Justamente por ser uma Alegoria, está aberta a uma diversidade imensa de interpretações, e é em cima de uma delas que o Orphaned Land escolheu trabalhar o conceito de Unsung Prophets & Dead Messiahs, seu 6º álbum de estúdio. O enfoque da banda é político, partindo de um ponto básico. É muito mais fácil para os políticos, as religiões e a mídia, controlarem uma nação se está não for instruída, não possuir um conhecimento verdadeiro da realidade que a cerca. Tiram o poder de resistir das pessoas, as levando apenas a pensar em sobreviver, dispersando suas mentes e usando dos mais diversos artifícios para alcançar tal objetivo. Mantenha as pessoas em sua zona de conforto, não dê a elas conhecimento para que enxerguem a realidade, e você terá todo controle que desejar, afinal, elas não vão querer se livrar de suas correntes, pois é muito mais confortável viver nas sombras, sem o desconforto da luz do conhecimento em seus olhos.

O controle chega a um ponto, que em muitos momentos nos levam a questionar a Democracia e a Liberdade, as colocando como responsáveis pelo caos e pela corrupção. Sabe, quando em um relacionamento abusivo, a outra pessoa faz com que você sinta que não entende nada e que está sempre errado, que a culpa por tudo isso é sua, e pior, que você é louco quando questiona a noção de realidade que lhe é imposta? E mais, que por tudo isso, é ele quem sabe quais são as melhores escolhas para sua vida? É assim que a coisa funciona. As pessoas se sentem mal, inseguras, sem força para ir além da realidade imposta. Como já dito agora a pouco, acabam só pensando em sobreviver, e a dominação lhes é automaticamente imposta e aceita, travestida ou não de um viés democrático.

“Se você quiser uma imagem do futuro, imagine uma bota pisando em um rosto humano - para sempre”
- George Orwell (1903 – 1950)


O Orphaned Land nunca se furtou a lutar pelo que acredita, a resistir e a gritar contra tudo que julga injusto. A prova disso é que, em uma região onde a harmonia entre os povos parece impossível, pregam uma mensagem de união, e provam que através da arte, é possível sim existir respeito entre todos. A recepção nos países árabes é excelente, e a coisa chega ao ponto de, em festivais mundo afora, vermos bandeiras dos mesmos desfraldadas ao lado de bandeiras de Israel nos shows da banda. Também já saíram em turnê pela Europa com uma banda palestina, o Khalas, e existem até mesmo petições pedindo que sejam indicados para o Nobel da Paz, por todas as atitudes do grupo em prol do respeito e da convivência pacífica entre as pessoas. Em resumo, é um “bandão da porra” esse Orphaned Land.

Musicalmente, desde seu início a proposta foi de fazer um Metal tipicamente voltado para a sonoridade do Oriente Médio, algo que foi sendo aprimorado com o passar dos anos, e que resultou em ao menos 2 álbuns fabulosos, Mabool - The Story of the Three Sons of Seven (04) e The Never Ending Way of ORwarriOR (10) e no ótimo All Is One (13), que até pode ter menos profundidade e ser menos complexo que seus antecessores, mas que ainda sim passa longe de soar irrelevante. A questão é que em uma discografia nivelada por cima, nada menos do que a excelência, ou chegar bem próximo dela, é aceito. E querem saber? Talvez tenham alcançado a mesma como Unsung Prophets & Dead Messiahs, seu trabalho mais ambicioso em 26 anos de carreira. A forma como conseguiram mesclar Metal/Rock Progressivo, Death Metal Melódico, Classic Rock, elementos sinfônicos e folclóricos alcançou um novo patamar, dando ao álbum uma diversidade ímpar.

Nenhuma das 13 composições aqui presentes são previsíveis, graças ao dinamismo das mesmas. Soando mais épica, poderosa e profunda do que nunca, se torna impossível ao ouvinte não se emocionar durante os pouco mais de 60 minutos de duração do álbum. Imagine uma junção dos 3 trabalhos que o antecederam, do peso de Mabool e The Never Ending Way of OrwarriOR, com o lado orquestral e mais acessível de All Is One. Esse é Unsung Prophets & Dead Messiahs. Kobi Farhi voltou a utilizar com mais frequência seus vocais guturais, sem precisar abrir mão das vocalizações limpas, e em ambas consegue ótimos resultados. Se você fazia parte do grupo de viúvas da dupla Matti Svatizky e Yossi Sassi, saibam que Chen Balbus e Idan Amsalem (estreando em estúdio com a banda) alcançaram um resultado primoroso no trabalho de guitarras, principalmente no que tange aos riffs, simplesmente excelentes. Em relação à parte rítmica, Uri Zelcha (baixo) e Matan Shmuely (bateria) soam simplesmente fabulosos e irrepreensíveis. Os corais foram gravados pelo Hellscore Choir, conduzidos por Noa Gruman, vocalista do Scardust, e as partes orquestrais ficaram por conta da The Orphaned Land’s oriental orchestra. Conseguiram elevar as músicas a um nível absurdo de grandiosidade, mas sem que isso soasse exagerado ou tirasse o peso das mesmas.


De cara já temos a fantástica “The Cave”, hipnótica, complexa, com vocais cativantes, além de ótimos corais e um uso primoroso de cordas e instrumentos típicos. “We Do Not Resist” é um Death Melódico com elementos sinfônicos, bem pesado, com Kobi dando um verdadeiro show nos vocais, já que graças a ele você consegue sentir a raiva emanando da canção. Claro que os demais elementos esperados em uma música do Orphaned Land também se fazem presentes. Tem tudo para se tornar clássica. “In Propaganda” é outra faixa que vai hipnotizar os ouvintes, graças ao seu lado étnico, com ótimas melodias, ao belo trabalho das guitarras e a ótima seção de cordas. E o melhor, não arrefece no peso. Na sequência, a banda dá uma acalmada, com a belíssima e emocionante balada “All Knowing Eye”, e “Yedidi”, adaptação da canção tradicional Yedidi Hashachachta, um poema litúrgico, escrito no século XII pelo rabino Yehuda Halevi. Foge do comum por sua musicalidade diferenciada, e justamente por isso soa cativante. O que falar então da maravilhosa “Chains Fall to Gravity”, que conta com a participação do lendário guitarrista Steve Hackett (Genesis)? Tipicamente progressiva, essa canção beira a perfeição com suas lindas melodias e um solo maravilhoso. Tem um clima épico e uma musicalidade poucas vezes vista em uma canção da banda. Já é clássica.

Como não estão de brincadeira, na sequência já emendam com outro clássico, “Like Orpheus”, cativante, majestosa e com vocais primorosos de  Hansi Kursch (Blind Guardian), que dão uma carga emocional ainda maior a música. “Poets of Prophetic Messianism” soa como esses interlúdios musicais que a banda sempre faz tão bem em seus álbuns, com um ótimo uso de instrumentos típicos e belos corais, além da letra ser retirada de A República, de Platão. “Left Behind” tem ótimos riffs, com um groove de guitarra contagiante, além de um lado oriental bem aflorado. “My Brother's Keeper” é outra com melodias típicas e faz uma espécie de jogo de luz e sombras, enquanto “Take My Hand” se destaca principalmente pelas boas guitarras. Não se deixe enganar pela introdução de “Only the Dead Have Seen the End of War”, pois, ela é uma espécie de retorno as raízes Death da banda, conta com os vocais de Tomas Lindberg e é possivelmente sua canção mais pesada em muito tempo. Encerrando, a linda “The Manifest – Epilogue”, que faz jus ao título, e é um retrato perfeito de tudo que escutamos nas canções anteriores.

"Todos eles pareciam destinados, como por uma maldição, a uma existência desalentadora, mesquinha, limitada. Nenhum deles jamais havia feito alguma coisa. Eram pessoas do tipo que, em todas as atividades imagináveis, mesmo que fosse apenas a de entrar num ônibus, são automaticamente empurradas para fora do centro das coisas"
- George Orwell (1903 – 1950)

A produção ficou a cargo da própria banda, com a gravação e a mixagem realizadas pelo onisciente, onipresente e onipotente Jens Bogren. Já a masterização foi realizada por Tony Lindgren (Angra, Amorphis, Dimmu Borgir, Enslaved, Kreator, Sepultura). O resultado é simplesmente fantástico, uma das melhores produções que escutei esse ano, já que apesar de ter tanta coisa ocorrendo ao mesmo tempo nas canções, você consegue notar cada mínimo detalhe. Já a parte gráfica, belíssima, e que retrata de forma perfeita a música contida no álbum, é obra do francês Metastazis (Jean "Valnoir" Simoulin). Trabalhando um conceito que possui fortíssimas implicações políticas, traçando um paralelo entre governos, mídia, e a lavagem cerebral que transforma a nossa população em zumbis dentro de uma caverna, o Orphaned Land lança muito mais do que um simples álbum. É um grito de indignação, um brado de resistência. Dificilmente Unsung Prophets & Dead Messiahs deixará de ser o álbum de 2018!

NOTA: 96

Orphaned Land é:
- Kobi Farhi (vocal);
- Chen Balbus (guitarra/saz);
- Idan Amsalem (guitarra/bouzouki);
- Uri Zelcha (baixo);
- Matan Shmuely (bateria).

Homepage
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram